A Sociedade dos Poetas Safados – Conto I – Parte 8

Isso aconteceu na semana passada. Então, maravilhosamente, aquele dia que tinha começado ruim, tornou-se supreendentemente belo e alegre.
Bem, querido poetas, essa foi uma das experiências sexuais que mais gostei. Ele me deu o que eu pedi e eu o devolvi na mesma moeda. Prazer por prazer e gozo por gozo.
Então, para celebrar a isso tudo, vou declamar agora o poema que fiz.

Forte e Quente
Apareceu para mim
Do nada, de repente
Transformando o meu dia chato
Em um dia brilhante e sexy

Em seu pequeno apartamento
Chupei-o deliciosamente
E sua pica, vara, rola, caralho, cock
Fodeu-me de maneira forte e quente

Marcou-me com as suas próprias mãos
A minha pele branca e macia
Deixou-a toda vermelha, dolorida
Fodeu-me a boca, ânus, tudo
Fez de mim o que queria
E eu me rendi…

Feito um servo obediente
O chupei feito uma puta
Dei-lhe o meu rabo, minha bunda
Sentei com força e ele meteu sem dó

Gosto disso e disso eu sempre gostei
Santo?
Não sou, não fui, nunca serei
Gosto de sexo pelo sexo em si
Gosto de fluidos, esperma, porra
Leite
Seja ele derramado em minha boca
Ou não

Gosto de gente sem roupa
Despido da hipocrisia popularesca
Amo e adoro foder
E gosto porque gosto
Ponto

Não me venhas com falsas modéstias
Ou com questionamentos vis…
Afinal, quem de vocês se julga santo?
Um minuto de silêncio…

Tive uma enorme experiência
Suja para alguns
Bela para outros
Para mim?
Fenomenal

Gosto de sexo
Já declarei
Mas gosto ainda mais
Quando me é forte
Sem medos
E claro, quente
Bem quente!

Que me arranque sussurros de prazer
Agonizantes ou alegres
Que me arrepie toda a mente
E que deixe o meu corpo
Feito uma brasa incandescente

Terminei de ler o poema e os meus caros colegas e amigos da Sociedade, aplaudiram-me e soltaram gritos de vivas. Fiquei feliz pela reação deles e pedi para que diminuíssem o tom da celebração.
— Muito obrigado! Muito obrigado — dei um gole no champanhe e sorri abertamente. — Bem, vamos continuar com a nossa reunião. O próximo que vai relatar a sua aventura sexual será o nosso mais novo membro, claro! Alguém se opõe?
Ninguém se opôs.
— Mas, antes de passar a palavra para o nosso japonês lindo e sexy, eu gostaria de avisa-los de que preparei uma grande surpresa para o final da nossa noite.
— O que é, Ismael? Fala logo! — disse Mariano, o nosso DT – Doutor Tesudo.
— Tudo ao seu tempo, caros colegas! — adverti-os. Então, dei mais uma bebericada e sorvi gostosamente aquele líquido borbulhante e altamente saboroso. — Com a palavra, Yuri Hadeki.

Olá, leitor! Gostou deste primeiro conto do e-book A Sociedade dos Poetas Safados? Legal, né? Então, para ler os outros contos que fazem parte desta obra, basta entrar no site da Amazon e adquiri-lo por um preço bem camarada. Ou leia gratuitamente com o Kindle Unlimited – que é um sistema de empréstimos de e-books disponíveis no site.
Siga também o autor no twitter: @autormike07.
Grande abraço a todos.